18 de ago de 2013

PESQUEIRO CÓRREGO DAS ANTAS - GIGANTES NO INTERIOR DE SÃO PAULO



Olá amigos pescadores,

Hoje vou relatar uma incrível pescaria feita naquele que em minha opinião é o melhor pesqueiro de São Paulo, o famoso Córrego das Antas. Mais uma vez na presença do meu companheiro Douradão e do nosso grande amigo TAMBALUKO Carica, esse que por sinal, fez a sua estréia no Paraíso dos Gigantes.
Confira a matéria completa a seguir.



Pesqueiro Córrego das Antas - Sinalização na Pista

A pescaria foi realizada no feriado de Páscoa, do dia 30/03 ao dia 04/04/2013. Saímos de São Paulo na madrugada de Sexta para Sábado por volta das 23:00 horas e chegamos no Córrego cerca das 05:00 horas da manhã. Logo que chegamos, nos deparamos com uma surpresa inesperada, o Córrego estava lotado de companheiros, isso devido ao feriado. Sobravam poucos lugares para pescar, mas a ansiedade de pescar era tanta, que decidimos iniciar nossa pescaria, mesmo com muitos pescadores no local.

Como todos estavam dormindo, aproveitamos e logo fomos nos alocando em frente ao Chalé do Restaurante, tentando assim reservar um lugar para o dia que estava nascendo!

Ao amanhecer fomos recepcionados pela sempre irreverente Zuka, uma linda Arara Azul, mascote do pesqueiro.





Café da manha tomado, iscas compradas, e então partimos para o ataque.  A essa altura do campeonato, o Tambaluko Carica já tinha armado umas 4 varas e não aguentava de ansiedade para pescar.

No sábado e domingo, com muitos pescadores no local, muitas cevas na água, bóias e alimentos, o resultado não podia ser diferente, POUCAS AÇÕES! Mesmo assim alguns tambas ainda deram as caras!

Douradão logo fisgou o seu belo Tambacú.

O Carica também engatou o seu e fez muita força para erguer seu troféu
Isso era apenas o começo e a pescaria prometia muitas emoções que ainda estavam por vir.

Mais um belo e grande redondo nas mãos do Carica.



Decidimos então guardar nossas forças para a semana, pois sabíamos que o pesqueiro ficaria praticamente vazio. Afinal, pensamos em não desgastar os braços e tínhamos certeza de que eles seriam bem utilizados durantes os próximos dias!

Na segunda-feira, antes mesmo de amanhecer, lá estávamos tomando café para não perder um minuto sequer de lazer e diversão. A montagem principal dos equipamentos foi com bóias torpedos de 100 gramas, chicotes de linha flúorcarbon de 0.62 mm e anzol circle hook sem chumbada!
Como iscas, utilizamos as mais variadas opções: salsicha, lesma, minhocoçu, cabeça de tilápia, buchada de pacú (fornecidas pelo próprio pesqueiro, já que o mesmo serve porções e disponibiliza a buchada para uso dos pescadores) e tilápias vivas. (Uma dica, as Pirararas e alguns redondos estão entrando nas iscas apodrecidas.)

Varas armadas, suportes fincados na terra e ação durante os próximos quatro dias seguidos. O feriado inteiro foi assim,  cansávamos de pescar os grandes Tambacús, todos de 10 a 20 kgs. A noite partíamos para as Brutas do rabo vermelho, as lindas Pirararas existentes no local. Sempre com pintinho ou tilápia viva pela manhã e cabeças de tilápias na parte da noite.

Detalhe especial para os nossos amigos da equipe "Os Pangas", que nesses dias lavaram a égua de pescar! Parabéns.
Na segunda-feira não tivemos nenhuma visita das meninas (Pirararas), porém alguns báguas deram o ar da graça!

E o Carica novamente engatou seus grandes redondos.



Dourado e mais um belo Tambacú.

Eu, Bruno Dourado! Também não fiquei atrás e logo fisguei esse grande redondo.



Na terça-feira acordei com um propósito, tenho e vou pegar uma menina e tem que ser hoje!

Depois de alguns belos redondos fisgados na parte da manhã, lá estávamos novamente entrando na noite e preparando o ambiente para as Piras.

Eu havia recolhido algumas varas, quando a única armada, deu uma bela envergada. Fiquei até assustado, a perna tremia, afinal estava com uma vara leve, carretilha perfil baixo e uma linha 0,30 mm, mas pela corrida sabia que era ela. A essa altura, metade da linha em minha carretilha já tinha ido e a frição não segurava a bichona. Após quase 40 minutos de briga, recebi meu troféu, a maior até hoje. Não pesamos, mas alguns entendedores chutaram fácil mais de 38 kgs... ERA ELA.... BEM CARNUDA .... PIIIIIIRAAAAA

Emoção inexplicavél.





Nem deu tempo de descansar e lá estava eu, engatando mais um belo redondo.



A noite estava ótima e ainda fisgamos diversos tambas, por isso resolvemos comemorar com um churrasquinho feito por quem entende do assunto!

Carica com a mão na massa e a picanha no fogo!


A rotina nos demais dias  foi à mesma, muitas ações pela manhã e mais algumas Piras e Tambas na parte da noite!




Ao cair da noite, Piras e mais Piras










Tambas e mais Tamba, verdadeiros gigantes!!!









No penúltimo dia o cansaço era visível, não tínhamos mais forças para pescar, porém, eu e o Carioca decidimos virar a noite conversando e dando boas risadas!

No dia da partida, eu e o Carioca tentamos realizar uma pescaria diferente dos demais dias, tiramos as bóias torpedos de 100 gramas e colocamos torpedinhos menores de 60 gramas com chicotes de 0,20 cm e tilapinhas vivas usadas como iscas no anzol Shinuzinho. Fomos atrás dos Dourados que pulavam que nem loucos em cima dos cardumes de tilápias, mas infelizmente dessa vez não conseguimos nenhum exemplar, mas deixo aqui uma foto da pescaria anterior, na qual obtive o sucesso e fisguei esse belo ‘’parente’’.
Acompanhe o vídeo de um belíssimo Tamba fisgado pelo Carioca, com dicas e uma linda Pirarara fisgada pelo Douradão.



Deixo aqui a minha indicação para todos que ainda não conhecem o Pesqueiro Córrego das Antas e tenho certeza que serão bem recepcionados. Ótima comida, café da manhã de primeira, quartos com ar condicionado e um incrível clima em meio a total naturezal!!! É certeza e vale muito a pena percorrer 500 km, isso porque a pescaria é garantida!! 

Quero agradecer ao Tambaluko pela oportunidade de realizar minha primeira matéria, em especial ao Frango pela força e ao Carica pela amizade , dicas e união de todos em algumas madrugadas. Agradecer meu pai Jonas Dourado por todos os ensinamentos... 
Forte abraço a todos companheiros pescadores.

O Tambaluko também agradece a você Bruno Dourado pela excelente matéria e aos pescadores Carica Tambaluko e ao Douradão, parabéns!

Amigo pescador!
Não utilize alicate de contenção de forma incorreta, não pendure o peixe pela boca. Use o passaguá, inclusive perceberá a facilidade que terá para tirar o peixe da água. 
Cuide do peixe, sem ele não existe pescaria!

Pesqueiro Córrego das Antas
Telefones: (18) 3647 6278 - 3647 5238 - Bairro Caximba - Glicério - SP 
O pesqueiro fica a 500 km da capital paulista, seguindo pela Rodovia Presidente Castelo Branco até o km 210 e depois seguir pela Rodovia Marechal Rondon. Siga pela Rondon até o Km 501 e entre a direita sentido a cidade de Glicério. Passe por dentro da cidade seguindo as placas para Brejo Alegre. Saindo da cidade siga pela estrada asfaltada sentido Brejo Alegre por 10 km. No lado contrário da pista você vai ver uma placa do Pesqueiro - Pesque-Pague Córrego das Antas -, entre a esquerda e siga a estrada de terra por mais 3 km até a porta do pesqueiro.

Patrocinadores:
Buriman Pesca & Camping: www.buriman.com.br
Pesqueiro Cantareira: www.pesqueirocantareira.com.br

Parceiros:
Revista Fishingnews: www.fishingnews.com.br
Pesca, Náutica e Cia: www.pescanauticaecia.com.br
Pesqueiro Meia Três Castelo Branco: www.pesqueiro63.com.br
JRNeto Iscas Artificiais - Matadeiras para Tambas.

Assina essa matéria / textos: Bruno Dourado
Pescadores: Carica Tambaluko e Douradão.